Blogs Brasil

® Talentosos Escritores 2011/2015 - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
"O site Talentosos Escritores" estará passando por mudanças em breve. Portanto, a ausência de postagens de conteúdos importantíssimos como as novelas por exemplos. Mas isso é algo que estamos organizando, tempo ao tempo. Eu, como administrador, estou contando com uma equipe boa pra poder fazer o site cada vez melhor. A gente está se reunindo pra obter novidades em alta pra você, que nos acompanha há muito tempo. Peço desculpas pela demora dos conteúdos e a gentileza de aguardarem pacientemente. O Talentosos Escritores vai mudar, mas tenho certeza de que será pra melhor ok! Um grande abraço a todos." - Leandro Angellus

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Quinto Capítulo de Com Quem Eu Fico


_o que eu acho? _ele se indaga com a pergunta.
_sim. O que você acha? Será que ela toparia?
_mano, você enlouqueceu? Você mal conhece a garota.
_ah cara! Ela é legal, gente boa. Eu curti muito ela e sei que ela deve ter curtido também me conhecer.
_não acha que está tomando uma atitude precipitada? Afinal, você mesmo disse que ela é diferente de algumas garotas que você conheceu.
_você tem razão! Acho que eu não posso fazer isso. Pelo menos não agora!
_escute o que o seu irmão diz aqui: você não pode levar a Mariana pra cama!
_que isso, brother! Eu não to te entendendo.
_bom, eu só queria te fazer entender apenas. Nada demais!
_Wesley, você é um bom irmão! Eu sei que você se preocupa comigo, mas pode deixar que eu sei o que faço ok! _diz Robson, sorrindo e apertando a mão de Wesley fortemente. _te amo irmão!
_também te amo, cara! _diz Wesley saindo porta afora.
Robson volta pra mesa e decide terminar o seu café, quando Nívea chega.
_eu não pude deixar de ouvir a conversa de vocês dois.
_ah mãe! A senhora vai tomar o seu café? Está pronto!
_eu sei filho! Vou sim. Bom, eu fico feliz que você e seu irmão se entendem né?
_mãe, desde que a senhora pegou o Wesley pra criar como seu filho legítimo, eu sempre curti uma boa companhia.
_eu sei filho. Lembro de como você o ajudou e continua ajudando ele até hoje.
_é verdade. Eu sempre estive ao lado do meu irmão em todos os momentos e sempre apoiei. Nunca brigamos por coisas infantis e sempre fomos muito unidos. Mãe, até as minhas ex-namoradas ficaram com ele!
Nívea sorri com as palavras de Robson.
_eu tenho orgulho de vocês dois. Vocês sabem disso!
Robson consente e Nívea continua:
_eu e seu pai amamos muito vocês! Você e o Wesley são filhos ótimos que com certeza qualquer mãe sonharia em ter.
_nós sabemos sim mãe e por isso, a amamos também! A senhora e o meu pai são os nossos exemplos.
Nívea sorri e o abraça fortemente. Vanderson se aproxima da porta e brinca:
_acho que esqueceram de me chamar na conversa.
Robson e Nívea sorriem.

Michelle toma o seu café ao lado da amiga Priscila, que decidira passar a noite na casa dela, pois a conversa passada havia se estendido por algumas horas.
_bom, depois que você me contou que encontrou o Marcelo, tudo ficou claro agora!
_será que ele ainda pensa... Não! Isso é tolice.
_eu não acho, Pri. O Marcelo ainda gosta de você.
_isso é um absurdo, amiga! Eu jamais ficaria com um cara como ele.

Amigas sorrindo

_e porquê, Pri? Pode ser que ele tenha mudado.
_eu não gosto dele. Ele é um cara muito diferente. Nossas vidas são tão diferentes que você nem imagina e tem mais: eu não quero me envolver com ninguém agora. Acabei de me separar de uma relação complicada e não quero me envolver novamente com mais ninguém.
_nossa, amiga! Você fala de um jeito que parece que nunca vai ser feliz novamente.
_não é isso que eu quis dizer, My! Eu quero sim encontrar alguém futuramente que goste de mim do jeito que sou e que me respeite, mas o Marcelo... Não! Isso é uma grande idiotice!
_idiotice ou não, eu já disse o que penso disso tudo. Marcelo gosta de você sim e só você não enxerga isso. _diz a jovem, sensata.
Priscila fica séria diante da amiga.


Edileusa observa as fotografias de um álbum antigo e lamenta por ter errado no passado. Uma amiga que dividia a casa com ela cujo nome era Márcia se aproxima e adivinha a sua tristeza.
_você ainda sente falta dele né?
_bastante. Ele nunca deixou de existir pra mim!
_é difícil amar uma pessoa mesmo sabendo que ela não sente mais nada por você.
_como é amiga! Sabe quando você sente que há esperança e que na verdade você passa o tempo todo procurando alguma chance de encontrá-la?
_eu sei. _diz Márcia, sentando ao seu lado e vendo as fotos.
_é assim que eu me sinto, Márcia! Eu não me conformo até hoje porque ele me deixou pra viver com outra.
_Edileusa, siga em frente e desiste do Marcelo! É o melhor que você tem que fazer.
_eu vou tentar, amiga! Eu juro que vou tentar.
_qualquer coisa, conte comigo! _diz Márcia abraçando a amiga.
_obrigada pelo apoio! Amigas como você jamais serão esquecidas. _diz Edileusa, sincera.

Pâmela encontra Shania em casa e a abraça.
_o que aconteceu entre você e Robson?
_bom, eu finalmente o conheci. _ela revela.
_mas e como ele era? Me conte!
_ele é legal, gente fina. Gostei dele, amiga!
_certo. Mas e o Wesley como fica nesta história?
_eu não sei amiga! _diz Pâmela, confusa.
Shania decide se sentar ao seu lado.
_Pâmela, estou percebendo que existem dúvidas em seu coração né?
_sim, Shania! Mas eu vou ver o que faço. Preciso pensar em que atitude tomar agora.
_ok! _diz a amiga, a abraçando mais uma vez.

Odilon pergunta curioso:
_bem, agora você pode me contar a novidade ou não?
Todos estavam reunidos na sala acompanhados por um bule de café quente e biscoitos, numa mesinha do centro.
_pai, eu vou te contar! _se prepara Cínthia pra falar.
Catarina olha a reação do marido e decide ouvir atenta a conversa.
_bom, pai e mãe.. eu e o Mateus decidimos algo que tínhamos pensado juntos.
_e aí, o que vocês decidiram? _interfere o pai.
_eu e o Mateus decidimos...... _ela analisa o olhar dos pais e continua. _bem, nós nos amamos muito. Por conta desse nosso envolvimento, nós dois havíamos planejado algo há pouco tempo.
De repente, Catarina abre a boca e diz, atrapalhando a conversa.
_filha, você não vai me dizer que está grávida, né?
Odilon encara a mulher e se abala.
_ora essa, mulher! Não fale uma besteira dessas. Pelo amor de Deus! Vamos ouvir os dois.
_não! Não, mãe. Não estou grávida. Fique trânqüila! _diz Cínthia assustada. _nós pensamos em morar junto. Apenas isso!
_nossa vida! Pelo amor que você tem da gente, não nos assuste mais, ok? Eu pensei que a hipótese de sua mãe se realizasse agora. _diz Odilon, nervoso.
_bem, vocês não estão bravos com a minha decisão? Estão? _ela pergunta.
_pra te dizer a verdade, eu vou sentir falta da minha filha, mas fazer o quê? _brinca Odilon.
_pai, que bom que o senhor aceitou. Eu estou muito feliz por vocês. _ela o abraça, carinhosamente.
_e você, rapaz, espero que faça a minha filha mais feliz do que já é, hein? _ele diz a Mateus.
_pode ficar trânqüilo, senhor Odilon. Eu amo muito a sua filha e a farei feliz, sim. _responde ele.
_por que fez tanto mistério em nos contar isso? Poderia ter nos dito pelo telefone. _pergunta Odilon.
_ora, pai. Eu não sabia se isso o faria bem. _diz ela.
_filha, o importante é que você está feliz e nós já sabemos de tudo. Eu te desejo muita sorte daqui pra frente. _diz Catarina, sorrindo alegremente.
_eu tenho muito orgulho de ser sua filha. _ela abraça a mãe e o pai ao mesmo tempo.
_seja bem vindo em nossa família, Mateus! _diz Odilon, sorridente.

Enquanto isso, Yuri chega na casa de Verônica na ilha do Abraão, de iate e os dois se encontram.
_eu sinto muito se te magoei. Me desculpa! _ele pede.
_o que faz aqui, Yuri? Será que nada do que eu disse não valeu nada pra você?
_olha, eu sei que eu cometi uma grande bobagem contigo, mas vamos passar uma borracha em tudo, ok? Vamos tentar de novo!
_eu quero você fora da minha casa agora! _ela o expulsa.
_você não pode fazer isso comigo, Verônica. Eu te amo!
_caia fora antes que eu chame os seguranças.
_você vai me tirar da sua vida pra sempre?
_se for necessário, eu tiro, sim. Agora, saia da minha frente e desapareça.
_Verônica, você vai se arrepender do que está fazendo comigo.
_será mesmo, Yuri? Mais fácil você ter arrependimento do que eu. Agora, a porta é a serventia da casa. Suma! _ela abre a porta.
Yuri a encara com desprezo e sai porta afora, ouvindo por trás um grande barulho ao ser fechado.
_você não tem mais o meu sentimento! _ela diz pra si mesma.
A partir daquele dia, Yuri nunca mais procurou Verônica e nem Daniela. Segundo os boatos, ele havia viajado para Fortaleza sozinho. Por lá, ele tinha encontrado um novo amor.


Nesse momento, Ronaldo chega em Angra. Ele decide se hospedar num hotel no balneário de frente para o mar, onde pretende tirar algumas horas do dia descansando para o dia seguinte. O azul do mar é transparente e a brisa suave vem sempre do horizonte, onde se encontra o sol, bem distante, disposto a mergulhar nas ondas, preenchendo o céu de tons alaranjados e vermelhos. Ronaldo se encanta com a despedida do sol que mergulha devagar no mar, fazendo um pequeno chiado. Logo depois, a lua surge no céu acompanhado das estrelas e a região se ilumina. O centro da cidade é ocupado por um inúmero grupo de pessoas, que ficam nas praças e principalmente, nos pontos de ônibus esperando o transporte chegar. Em Angra, só existe uma viação coletiva de ônibus: é a Senhor do Bomfim, que se localiza na grande Japuíba, um dos municípios principais.

Vista do bairro Sapinhatuba

Na ilha de Lopes Mendes, está tudo pronto para a grande festa dada por Verônica. Ela chama os amigos que lotam a mansão de Humberto. Entre bebidas e muita música rolando, a patricinha se diverte sem se importar com o dia de amanhã. Os empregados ficam doidos com tanto trabalho de última hora. Já em São Paulo, Humberto fica pensativo com a filha e recebe uma ligação de Tenório, que avisa da tal festa. Ele fica irado por dentro mas ao mesmo tempo se contém.
_Essa Verônica vai me ouvir quando eu chegar. Ah se vai!

Há duas horas de Angra, se localiza uma cidade chamada Paraty. Conhecida como patrimônio histórico nacional, preserva encantos arquitetônicos e naturais. As pedras "pés-de-moleques" de suas ruas nos remetem à uma época colonial em que a escravidão prevalecia. Os casarões, as igrejas e os misteriosos símbolos maçônicos nos levam a um túnel do tempo. Foi fundada em 1667 em torno à Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, padroeira da cidade.

Paraty

E é nesta cidade que vamos conhecer personagens importantes.
Um veleiro ancora no píer e algumas pessoas desembarcam. Entre eles, Alan, um rapaz turista que veio conhecer a cidade de Paraty e que fica encantado com a beleza do lugar. Ele é um modelo, bem requisitado pelas maiores revistas pornográficas do mundo. Alan decide registrar cada momento, com muitas selfies, gravações de vídeos e boas compras.

Píer

Na mesma cidade, Christian estuda com amigos na escola e após entrar em intervalo, ele recebe uma ligação de sua mãe avisando da chegada de Pâmela.
_Minha prima vai vim para Paraty? _ele se empolga no telefone.
_Vai sim, meu filho! Deve chegar de hoje pra amanhã!
_Opa! Que bom, mãe! _diz ele, feliz da vida.
Chegando em casa, Christian decide confirmar com a mãe se é mesmo verdadeiro a notícia que ela deu a ele e Vânia ouve da sala.
_Eu não sei porque tanta felicidade. Ela vai vim ocupar espaço mais ainda.
_Pára com essa implicância, filha! _diz a mãe.
_Deixa ela, mãe! A gente não pode fazer nada se a Vânia não gosta da Pâmela.
_Eu vou sair um pouco. Estou cansada de discutir! _diz Vânia, saindo porta afora.
Christian e a mãe Cleusa se entreolham.

Na baía da Ilha Grande, um barco de pesca fica ancorado próximo da praia de Japariz. Dentro do barco alguns pescadores conversam com um rapaz inteligente e perspicaz chamado Fabrício, o conhecido como "Biólogo do mar".
_Eu vou ter que levar amostras dessas espécies para o meu laboratório.
_fique a vontade, doutor! _diz um dos pescadores.
_Essa baía da Ilha Grande guarda muitas riquezas naturais.
_São 365 ilhas em um arquipélago inteiro. _rebate o outro pescador.
_Talvez um dia eu conheça todas elas. _diz Fabrício, sorrindo.

"A praia de Japariz é parada obrigatória para quem passeia de escuna, lancha ou barco e tem uma vizinha conhecida, que vale a pena conhecer também e é chamada de Praia do Funil."
Praia do Japariz

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Quarto Capítulo de Com Quem Eu Fico


Marcelo decide puxar conversa com Priscila, que fica calada o tempo todo enquanto estava no carro.
_você conseguiu terminar a faculdade? _ele pergunta.
_sim. _ela responde, sem desviar os olhos do lado de fora da janela.
_eu tranquei a minha. Tive que trabalhar fora do país por alguns meses. _ele responde.
_hum. Você ainda pretende continuar? _ela questiona.
_talvez sim, mas estou pensando no assunto.
_que bom! _ela diz, sem muita importância.

Bom papo

_eu soube que você se separou de uma relação conturbada.
_eu não gostaria de tocar neste assunto. Por favor!
_ok. Eu me calo! _responde ele. _desculpe se fui inconveniente.
_melhor assim. Por favor, pode me deixar naquela esquina ali? _ela indica.
_Mas por quê? Olha, se foi porque eu toquei no assunto do seu casamento, me desculpe ok! _diz Marcelo, já intrigado.
_por favor, Marcelo! Eu gostaria de ficar por aqui. Tudo bem pra você?
_bom, já que você insiste tanto. _diz Marcelo, estacionando o carro na esquina em frente.
_obrigada pela carona! _ela agradece e sai do carro.
_você não vai ficar chateada comigo, vai?
_claro que não! Imagina. Tchau! _ela se despede com um aceno e segue em frente.
Marcelo fica pensativo diante do volante e se acha um tolo por ter feito tudo errado.

Alguns minutos depois, Priscila bate á porta de Michele e as duas decidem conversar um pouco.
_eu não sabia que você viria, amiga! Se soubesse, tinha preparado mais um prato na mesa.
_sem problemas, My! Eu só passei pra vê-la mesmo e conversar com você por alguns minutos.
_ah claro! Entre então! Só não repare na bagunça. Não tive tempo de limpar nada ainda. Cheguei do trabalho quase agora.
_não esquenta com isso!  _diz ela, ignorando.
_mas diga o que aconteceu pra você vir em minha casa hoje?
_bom, a gente se conhece há muito tempo né?
_sim. Mais ou menos uns cinco anos desde os tempos da faculdade.
_bom, lembra-se do Marcelo?
_se lembro. Ele foi um tremendo chato na faculdade. Vivia correndo atrás de qualquer menina e até você não escapava das perseguições dele. _diz ela, rindo.
_nem me fale, amiga! Foi uma chatice ter topado com ele na faculdade. _diz ela, seriamente.
_mas até que foi engraçado, né? Eu me divertia muito com ele! _diz Michele, percebendo o olhar diferente da amiga. _mas o que houve, amiga? O que o Marcelo tem a ver com isso?
_é que eu peguei uma carona com ele agora há pouco depois do trabalho e senti que ele está tentando se aproximar de novo. _ela revela, deixando a amiga em silêncio.

Enquanto isso, Wesley decide voltar para o carro e fica incomodado com a cena que acabara de ver no clube: seu irmão com a garota que ele gostava. Os momentos de Pâmela ficaram grudados em sua mente, transmitindo por diversas vezes cenas do primeiro beijo no clube e da primeira música que dançaram juntos. E agora, a cena de Robson pegando nas mãos da sua amada e os dois cada vez mais próximos. Wesley fica impaciente e pensa em voltar para o clube com o propósito de chegar até eles e dizer que a tal jovem da internet fora a mesma que ele havia ficado naquela noite, mas a decepção de seu irmão mais novo falou mais alto e ele se conteve por um momento. E quanto ao fato de saber que Pâmela não tinha falado seu verdadeiro nome ao seu irmão? Por quê ela fez isso? Em sua mente se passava várias coisas. Ela poderia estar mentindo pra ele também.
Wesley sabia como era Robson particularmente, ou seja, conhecia suas qualidades e seus defeitos e um dos seus princípios era a verdade absoluta em tudo. Robson jamais perdoaria uma traição e mesmo que falasse á ele que tudo não passara de um grande engano, ele não acreditaria. Se sentiria péssimo, magoado e um verdadeiro otário por ter deixado o caminho livre para seu irmão naquele dia que seria especial pra ele. Especial porque tudo que Robson queria de Pâmela era que os dois tivessem algo mais do que amor, cuja palavra referente designava um sentimento mais forte e mais complexo: o sexo. Uma possível troca de forças mútuas, uma relação mais envolvente de desejo e paixão veraneio, diferentemente de qualquer sentimento de carinho e dedicação no qual Wesley admirava muito e tinha forte consciência de tal.
Segundo Wesley, Robson era um cara “pegador”. Conquistava as mulheres só pra conseguir um objetivo: passar a noite com elas e depois, ele a descartava, que no bom português, não fazia a menor questão de vê-las novamente. Ele sempre fora assim desde a adolescência. Já Wesley não! Pra ele, sentimento que tinha amor e fidelidade era um grande trunfo de alegria em sua vida. Namorou algumas garotas e sempre foi atencioso com elas, dando-lhe respeito e aproveitando cada momento da sua vida ao lado das suas parceiras. Foram paixões que duraram pouco, mas que marcaram sua vida pra sempre, deixando um traço de amizade e companheirismo em cada fase que vivia.
E relembrando tudo que vivera até agora, Wesley decide não voltar ao clube, mas decidiu voltar pra casa e pensar num jeito de esmagar aquele sentimento por dentro. Somente assim, ele estaria deixando seu irmão ser feliz com a pessoa que tanto ama.


Ao chegar em casa no seu carro, Wesley percebe que seus pais estão dormindo e é forçado á acordá-los, tocando a campainha da porta de entrada. Vanderson e Nívea ouvem o sinal estridente da campainha e despertam assustados.
_só pode ser um dos nossos filhos! _diz Nívea.
_mas eles estão com as chaves. _responde Vanderson.
_bom, algo deve ter acontecido então! _diz ela. _não acha melhor abrir?
_eu vou verificar antes. Fique aqui! _diz Vanderson, saindo da cama e vestindo seu roupão.
Chegando na porta, Vanderson ouve o chamado de Wesley e abre.
_filho, você não estava com as chaves não?
_não pai. Eu esqueci com o Robson. _diz ele, entrando.
_aconteceu alguma coisa?
_não pai. Desculpe ter te acordado á esta hora da noite!
_tudo bem! Eu vou avisar á sua mãe que você acabou de chegar.
Wesley decide ir á cozinha pra pegar algo pra comer e Vanderson volta para o quarto.
_pensando melhor, acho que não vou desistir da Pâmela não! Se ela quiser que eu saia da sua vida, ok! Mas por mim, eu não vou desistir! Não vou mesmo. _ele reflete sob á mesa.

Na saída do clube, Pâmela fica hesitante em contar que conheceu outro rapaz á Robson, mas percebendo que ele era simpático e parecia ser uma pessoa bacana de lidar, ela acabou se apaixonando por seu jeito simples e descontraído.
_saiba que hoje foi uma noite muito especial pra mim! _diz Robson, feliz.
_eu também digo o mesmo. _diz ela. _mas...
_não diga nada! _ele a beija em seus lábios suavemente e ela se rende.
Logo após, ele sussurra em seu ouvido:
_desde que te conheci no chat, eu sabia que daríamos certo. Você é perfeita, Mariana!
A jovem sorri um pouco e diz o mesmo á ele.

Não diga nada!


Nesse ínterim, Wanda recebe a ligação de Yuri, que exige falar com Dani.
_Yuri, eu não quero mais que você procure a minha filha. Ela está magoada com você e, portanto, não quer te ver nem pintado. Acho melhor você parar de ligar pra cá.
_eu gosto da sua filha, D. Wanda. Eu sei que cometi uma bobagem. Eu não devia ter feito aquilo, mas a senhora precisa me deixar falar com ela. Eu queria muito que ela me escutasse.
De repente, Dani entra porta adentro.
_mãe, quem está no telefone?
_filha, é o Yuri. Ele quer falar contigo! _ela diz, ao vê-la.
_mãe, diz que eu não estou. Por favor!
_eu já tentei. Ele quer falar com você. Pelo amor de Deus, dê uma chance a ele e o escute. Nem que seja a última vez.
_tudo bem! _ela pega o telefone das mãos de Wanda, que sai. _diga, Yuri? O que quer?
_Dani, estou feliz que tenha atendido. Por favor, eu preciso que você me ouça com atenção.
_Yuri, eu não tenho muito tempo. Portanto, fale logo o que quer.
_eu te amo, Dani. Eu te amo muito. Acredite!
_você me ligou pra dizer isso? Ora!
_não! Eu também queria te pedir desculpas e te dizer que o meu namoro com a Verônica não é serio. Ela sempre quis investir em nós dois e eu não gosto muito dela. Eu queria terminar tudo. Acredite em mim.
_por que, Yuri? Por que me decepcionou? Eu achava que você era diferente. Eu vi que me enganei.
_Dani, você precisa acreditar no meu amor.
_sabe de uma coisa, Yuri? Vá procurar a Verônica e nunca mais me procure. Esqueça esse número e desista de uma vez por todas. Eu jamais vou cair nas suas lábias de novo. Estamos entendidos?
_Dani! _ele suplica ao telefone.
Ela desliga num só toque e sente-se aliviada.
_eu prometi que não ia me lamentar. Hoje, não!

De manhã na ilha de Lopes Mendes, Humberto se despede da filha, antes de entrar no helicóptero. Os empregados recebem as ordens do patrão.
_filha, você vai ficar bem. Não se preocupe! _diz ele, a abraçando.
_eu espero que o senhor volte logo. Eu não quero ficar sozinha por muito tempo. _diz Verônica.
Ele sorri feliz e entra no helicóptero. Tenório liga os motores.
_Tenório, vê se cuida da minha filha quando voltar! _ele pede.
_claro, senhor. Pode ficar trânqüilo!
Humberto acena as mãos pra Verônica, que o olha séria.
O helicóptero levanta vôo e parte. A ilha e todo resort é deixado pra trás naquele exato momento. Tenório sorri com Humberto, ao vê-lo próximo a janela e diz:
_senhor, faremos uma viagem trânqüila. Não tenha medo!
_ora, eu não estou com medo. _ele brinca. _eu só estou preocupado com a minha filha.
_não precisa se preocupar, senhor. Verônica está bem grandinha. Ela sabe se cuidar. Fica frio!
_você tem razão! _ele diz. _Acho que estou me preocupando á toa.
Verônica fica observando o helicóptero se afastar e fica matutando sozinha:
"Acho que preciso dar uma festa aqui em casa"
_Matildeeee!!!!!!!! _ela grita a empregada que chega logo rapidamente.
-_Oi patroa! Em que posso ajudá-la?
_Eu quero dar uma enorme festa. Preciso disso aqui todo arrumado.
_Sim, senhora! _diz a empregada, gentil.

Praia de Lopes Mendes

"Conhecida como a mais famosa de toda a Ilha Grande, Lopes Mendes oferece muita sombra por debaixo de suas amendoeiras e ponto ideal para quem procura um dia de surfe."

Ronaldo se despede de D. Cândida na pousada.
_então, você vai viajar? _ela pergunta, intrigada.
_sim. E aqui está o dinheiro que eu devo à senhora. _ele entrega uma pequena quantia. _eu queria me desculpar pelo atraso.
_obrigada, Ronaldo! Mas que mal lhe pergunte: por quê está se ausentando do Rio? Aconteceu algo?
_não, senhora. Eu tenho um assunto pra resolver e é de grande importância. Mas brevemente, estarei de volta.
_bom, espero que faça uma boa viagem.
_Obrigado! E me desculpa qualquer coisa!_diz ele.
_Que isso! Nada pra se desculpar.
Gabriela ouve a conversa e fica chateada.
Ronaldo a abraça contente e sai ao encontro de Rafaela, que já o aguarda no carro, onde o leva direto para a rodoviária. Enquanto o casal conversa no carro, D. Cândida resolve falar com sua filha Gabriela.
_Por que está com essa carinha hein?
_eu não queria que ele fosse embora.
_você está gostando do Ronaldo, filha?
_poxa mãe tá tão na cara assim?
D. cândida faz um gesto positivo com a cabeça e sorri.
_ele ama a Rafaela filha. Melhor você esquecê-lo.

_Achei que não viria mais. Pensei que tivesse desistido. _diz ela.
_não. Eu não posso desistir, Rafa.
_vê se não me trai por lá, tá! Vou ficar contando cada minuto pra te ver novamente.
_Rafa, tem certeza de que não quer vir mesmo?
_eu já disse que não posso. Tenho um trabalho á cumprir aqui.
_bom, eu prometo que voltarei logo, ok!
_eu acredito em você! Se você não voltar daqui á uma semana, eu vou atrás de você, ok! Você não vai escapar de mim tão fácil.
Ronaldo sorri e lhe beija os lábios.
_jamais vou esquecer de você, meu amor!
O carro parte em direção á rodoviária.
Ronaldo se despede de Rafaela e entra no ônibus. Ele acena pra ela com uma das mãos pela janela.
_Eu amo você Rafaela!
Sorrindo, ela responde:
_Eu também te amo, Ronaldo!
E o ônibus se prepara pra sair da rodoviária Novo Rio.
Nos olhos de ambos, lágrimas.
O seu sonho está próximo de ser realizado. Agora, só resta um pouco de esperança. Um traço que o separa do encontro de sua família.
“Será que vou encontrá-lo?”
Seu pensamento ainda está preso nesse argumento, mas a saudade...

Robson e Wesley tomam o seu café na cozinha. Entretanto, Robson estava com uma preguiça e tanto, mas estava feliz pela noite que passara.
_e aí, como foram as coisas por lá? _pergunta Wesley, curioso.
_foram ótimas irmão!
_hum _diz ele, tomando um gole de café e comendo uma barra de cereal.
_Ela é incrível, mano! Jamais conheci uma pessoa tão diferente quanto ela. Nós ficamos ontem! _conta Robson entusiasmado.
_legal, irmão! _diz ele, já ciente da situação. _Mas agora, eu vou ter que ir para o trabalho. A gente se fala depois, ta legal? _ele sai da mesa.
Robson percebe a indiferença em Wesley.
_você está estranho! Aconteceu alguma coisa?
_não, mano! Não aconteceu nada não.
_ok! Sabe o que estou pensando?
_Diga! _diz Wesley, lavando as louças rapidamente.
_eu vou levar a Mariana para aquele hotel que costumo ir aos finais de semana. O que você acha?
Aquela pergunta deixa Wesley muito sério, fazendo escorregar um copo da mão dele e se quebrar dentro da pia.

Calma!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Terceiro Capítulo de Com Quem Eu Fico


Robson chega em casa vibrando por ter marcado um encontro com Pâmela e encontra Wesley na sala.
- O que houve, irmão? Por que tanta alegria?
- Brother, eu consegui marcar um novo encontro com a garota que te falei? - ele diz, sorrindo.
- Ah  sim. Bacana hein irmão! Bom, pelo menos você já conseguiu um novo encontro. Será que ela vai dessa vez?
- Cara, era isso que eu ia comentar contigo agora. Ela foi na noite passada só que não nos encontramos, porque o celular dela tinha descarregado. Mas o importante é que esclarecemos tudo.
- Que bom, brother! Fico feliz por você! - responde ele.
Robson sorri e abraça o irmão, grato.

O fim de semana chega e Cínthia e Mateus chegam a Angra. O rapaz fica maravilhado com a paisagem vista do jatinho.
_muito bonito essa visão do alto, né? _diz ela, sorrindo.
_é um verdadeiro paraíso. _ele completa.

Ilha de Cataguases
Ilha de Cataguases

 Ao chegar em casa, Cínthia abraça os pais feliz e apresenta o namorado. Odilon decide oferecer uma bebida ao rapaz.
_pai, vê se não exagera, ok? Mateus não conhece nada da nossa cidade. _orienta Cínthia.
_você nunca veio em Angra? _se pasma Catarina. _ah, precisa conhecer, então.
_eu vou mostrar tudo a ele, mãe.
_ah, bem! Estou feliz por estar de volta, filha!
_eu senti muito a sua falta, minha mãe. Eu estou sentindo cheiro de algo. Não me diga que é...
_sim, é o risoto que eu acabei de preparar.
_risoto? Que legal, mãe! _diz ela feliz, por ver o seu prato preferido.
Catarina sorri com a atitude da filha enquanto Odilon bebe com Mateus.

Daniela deixa sua mãe sair e decide entrar seu quarto. Ela procura por algo nos armários e no guarda-roupa. Então, ao abrir uma gaveta, ela descobre uma caixa. Abre-o e nada acha. Sobe em cima da cama e verifica algumas caixas em cima do guarda-roupa, quando uma caixa média cai de suas mãos e vai direto ao chão. Ela desce da cama e pega a caixa antes que sua mãe volte pra casa. Ela abre a caixa e encontra algumas fotos do passado. Dentre as fotos, aparece a de seu pai, sorrindo alegremente.
_finalmente, eu te achei. _ela diz contente ao ver a única pista. _dessa vez, eu vou te achar.
O seu tão sonhado propósito estava a sua frente ali. Seu pai, que nunca conhecera, estava por um fio de ser encontrado. Aquela foto veio no momento certo.
“Mas por que minha mãe não me mostrou essa foto? Por que ela escondeu de mim esse segredo? Que intenção ela teria pra fazer isso? Será que ela mentiu pra me proteger de algo? Não! Não pode ser. Minha mãe confia em mim ou será que estou enganada? Que droga! Eu estou começando a desconfiar da minha mãe outra vez. Eu prometi a mim mesma que jamais iria tocar nesse assunto com ela, pois só a faria sofrer ainda mais. Ela me deu a sua vida, me cuidou, me protegeu sempre. Eu não posso desapontá-la. E essa foto, o que eu faço? Será que mostro a ela? Digo a ela que eu o achei sem querer? Sim, eu vou dizer a ela que encontrei a foto em algum lugar da casa. Não! Ela vai desconfiar de mim. O que eu faço, meu Deus? Eu preciso saber do meu pai, mas também não quero fazer minha mãe sofrer.”
De repente, Wanda a encontra.
_o que faz em meu quarto, Daniela?
A jovem se assusta com a mãe, que encontra uma foto em uma de suas mãos.

Marcelo encontra André numa sorveteria e os dois se cumprimentam.
_como está indo no teatro? _Marcelo pergunta ao amigo, que atua como ator de teatro há dois meses.
_eu vou bem. Agora estou em cartaz numa peça nova. Você precisa conferir!
_claro. Vou sim! E como vai a sua irmã?
_ela está bem, Marcelo. _responde o amigo.
_ainda está sozinha? _ele pergunta curioso.
_por que a pergunta, Marcelo? Não vai me dizer que ainda quer ficar com ela?
_bom, eu só fiz uma pergunta brother. Nada demais!
_sei. Você ainda gosta dela né?
_eu gosto sim André, mas sei que não tenho mais chances com ela.
_desde os tempos da faculdade que você andava cercando a minha irmã brother. Eu só não entendo porque não deu certo.
_sua irmã tinha outro cara na parada. Ela não queria nada comigo, mas eu também não desistia.
_e não desiste mesmo, porque até hoje você ainda pensa nela.
_bom, eu só queria saber como ela estava mesmo. Nada demais!
_Marcelo, ela está bem. Agora está trabalhando e está vivendo uma fase independente, aliás era tudo o que ela queria. Se envolveu numa relação conturbada e agora ela não quer mais saber de homem nenhum.
_entendo.  _diz Marcelo, pensativo.
_aceita um conselho de amigo: desiste da minha irmã! Ela jamais vai querer alguém em sua vida agora. Ela está feliz do jeito que está, curtindo a vida como ela sempre quis sem compromissos amorosos e totalmente independente.
_bom, mas as coisas mudam meu amigo! Priscila ainda vai ser minha! _diz Marcelo, vantajoso.
André sorri com as palavras do amigo.

Daniela não consegue esconder a foto de Wanda.
_mãe, eu sinto muito. Mas eu acabei entrando em seu quarto e descobri essa foto em seus guardados. _ela confessa.
_por que filha, fez isso? Você não podia.
_mãe, desculpa! Eu não queria ter lhe magoado.
_deixa pra lá. Um dia, você iria saber mesmo. _diz ela, sentando descontente na cama. _uma hora, eu tinha que te dizer a verdade. Não que eu já tenha lhe dito, filha, porque tudo que te disse ainda é válido.
Daniela se aproxima de Wanda e senta próximo da cama.
_Eu não menti sobre o seu pai, não. Ele sempre foi um homem de negócios e atualmente, nada sei sobre a vida dele. Não sei o que ele fez depois de me deixar sozinha com você. Eu só queria que você soubesse que se lhe ocultei esse fato de você esse tempo todo, foi apenas por medo de não lhe perder.
_mãe, eu não quero te ver triste de novo e saiba que a senhora não vai me perder nunca. Eu não devia ter mexido nessa foto. Eu vou desistir dessa idéia doida de encontrar o meu pai. _diz ela, guardando a foto na caixa.
Wanda tira a caixa da mão dela e pega a foto novamente.
_não! Você não pode fazer isso. Se você quer encontrar o seu pai, não desista por minha causa. Filha, eu vou te ajudar no que for pra você encontrá-lo. O que eu não posso é deixar você desistir. Você me entendeu?
_mãe, tem certeza de que quer fazer isso por mim?
_filha, eu já perdi muito tempo da minha vida tentando consertar os meus erros do passado. Seu pai tem que saber que você existe nessa vida. É o direito seu que está em primeiro plano. Não é que eu quero o dinheiro dele, não, porque isso não vai mudar a minha vida nem a sua, mas é por você, filha.
Daniela pega em sua mão nesse instante e ela continua:
_Você tem que conhecê-lo, saber ao menos a verdade de uma vez por todas sem mentiras e sem pedir nada em troca. Isso é um sinal de afeto, de sentimento.
_obrigada, mãe! Eu sabia que podia contar com a senhora.
_filha, tudo o que eu mais quero nessa vida é que você esteja feliz. Nada me importa sem a sua felicidade.
_mesmo assim, eu quero agradecer muito pelo que a senhora está fazendo por mim. _diz Daniela, lhe abraçando fortemente.

Mãe e filha

Agora o seu desejo de encontrar o seu pai ficou ainda mais forte, com o auxílio de uma pessoa tão especial. Seria o sinal do destino?

Robson se arruma pra ir ao encontro marcado com Pâmela, quando Wesley decide ligar pra mesma na hora exata, mas o telefone da jovem toca e ela não consegue atender, pois estava ocupada tomando banho.
_o que houve, irmão? _pergunta Robson ao irmão, que fica preocupado.
_Pâmela não atende minha ligação.
_pode ser que ela esteja ocupada.
_sim. Tem razão. _diz ele, deixando o telefone de lado.
_e aí, você vai me deixar no clube?
_claro. Vou te levar sim. Vou pegar as chaves. _diz Wesley, pegando as chaves do carro de cima da mesinha do quarto.
Ao entrar no carro, os dois irmãos conversam sobre a tal jovem misteriosa.
_será que hoje você encontra essa garota da internet, Robson?
_bom, eu estou torcendo por isso mano! Mas quer saber: acho que hoje tenho sorte sim. Pelo menos ela me garantiu que iria né?
_hum. Entendi! Boa sorte, irmão! _diz Wesley batendo em suas costas.

Enquanto isso, Vânia fica insatisfeita ao saber que a prima Pâmela vai passar algumas semanas em sua casa.
_ eu jamais vou permitir a presença dela aqui nesta casa!
_cuidado com as palavras, mocinha! Eu sou a dona da casa e permito a entrada de quem eu quiser nela, portanto não adianta ficar de bico porque a sua prima vai ficar e ponto final!
_ela entra por aquela porta e eu saio por outra.
_por que você a odeia tanto, minha filha?
_mãe, eu já disse! A Pâmela não fica nessa casa enquanto eu estiver aqui.
_mas que garota teimosa! Você poderia me dar o único motivo de não a querer aqui dentro?
_a senhora sabe o que penso sobre ela.
_não. Não sei, minha filha! Tudo o que eu sei da sua raiva com ela foi devido aos tempos da escola, mas isso é tolice, filha! Vocês duas cresceram e não podem ficar remoendo mágoas do passado. Pâmela mudou e você também!
_engano seu, mãe! Eu continuo a mesma de sempre. Eu mudei algumas atitudes sim, mas a minha relação com aquela garota não teve mudanças nenhuma. Eu a odeio e continuo odiando desde... _ia dizer Vânia quando batem a porta e Cleusa se distrai.
_a nossa conversa ainda não acabou, hein? _diz ela, indo abrir a porta e deixando a jovem irritada por dentro.
Cleusa abre a porta e uma vizinha a cumprimenta, perguntando se havia algo á emprestar e carinhosamente, a bondosa senhora decide ajudá-la.
Vânia fica pensativa com as palavras da mãe e reflete:
_se Pâmela realmente ficar nesta casa, eu vou fazer de tudo pra que ela vá embora o mais rápido possível!

Verônica toma um refrigerante diet e assiste televisão quando seu pai Humberto entra porta adentro.
_pai, eu queria muito falar contigo.
_o que se trata? É sobre a viagem com o Yuri? Nem pensar!
_pai, não se preocupe. Eu não vou mais viajar com ele.
_por quê? _ele pergunta, intrigado.
_eu terminei tudo. O senhor estava certo sobre ele.
_graças ao meu bom Deus! Até que enfim, você tomou a atitude certa, filha. Nossa! Você me deu um alívio e tanto.
_pai, não exagera, ta. Eu terminei com ele porque eu vi que não íamos dar certo. Ele tem outra, pai e estava me enganando esse tempo todo.
_eu te disse que ele não era um bom rapaz. Agora, você me entende porque eu nunca fui com a cara dele e nunca apoiei o seu namoro? Porque ele não presta, simplesmente isso!
_pai, vamos esquecer esse assunto, ok?
_claro, filha. Eu também tenho um assunto pra falar com você.
_o que foi? Pela sua cara, não é nada legal, certo? _ela percebe a expressão séria em seu rosto transparecer.
_eu vou ter que me ausentar de Angra por duas semanas. _ele revela, descontente.
_por quê? _ela se intriga.
_filha, eu tenho negócios importantes em São Paulo. Os acessores precisam do meu auxílio por lá. São apenas duas semanas, eu prometo. E você não estará sozinha. Temos ótimos empregados por aqui. Seguranças requisitados. Enfim, você tem tudo. O Tenório também vai ficar caso você precise.
_ah, claro! Pai, por que o senhor confia tanto no Tenório, hein?
_você já vai começar com esse assunto de novo? Não é possível!
_o Tenório está sempre do seu lado em tudo. Eu não vejo confiança alguma nele.
_por que está me dizendo isso? Ele já roubou a nossa casa?
_não. Eu nunca o vi cometendo um furto, mas o senhor confia muito nesse homem. Até parece que o senhor tem um pacto com ele.
_Verônica, você sabe há quanto tempo o Tenório está conosco? São quinze anos de profissão. Eu confio nele como se fosse a minha sombra. Você não pode julgar o Tenório como se julgasse qualquer uma das suas amigas. Estamos entendidos?
_tudo bem. Não está mais aqui quem falou. Eu só acho que esse empregado ocupa muito espaço por aqui.
_Tenório é um bom homem e está em nossa casa há muito tempo. Eu sempre vou confiar nele ok!
_Está bem! Eu queria levar um papo sério contigo também.
_pode falar! _diz ele, seguindo para o escritório.
_eu pensei muito a respeito daquela viagem que o senhor me prometeu no fim de semana passado e eu estou disposta a aceitar.
_podemos falar dessa viagem quando eu voltar de São Paulo?
_mas, pai, o senhor vai me deixar na expectativa.
_eu sinto muito, Verônica. Agora, por que não me deixa um pouco sozinho que eu tenho que organizar a minha viagem pra amanhã bem cedo.
_ta legal! O senhor é o chefe de tudo. Tudo tem que ser ao seu tempo. _ela sai irritada, voltando pra sala.
_filhos! Será que eles nunca vão amadurecer? _se pergunta Humberto, se acomodando na cadeira do seu gabinete.

Dani encontra sua melhor amiga chamada Mirela, uma jovem inteligente e pessimista que sempre a apóia nos momentos difíceis. Mirela é do tipo de pessoa que você pode contar sempre em qualquer situação. Se ela estiver ao alcance de ajudar, ela te ajuda sem pensar duas vezes. Desde que conheceu Dani na escola aos sete anos, ela se tornou uma pessoa de confiança. Não é a toa que ela compartilha seus segredos com a nossa protagonista. Ao encontrá-la e transmitir a sua angústia, Dani a pede que ajude em relação ao pai desaparecido. Mirela não nega o pedido e decide procurá-lo pela internet. E lá estão as duas de olho no computador.
_tem certeza de que ele é famoso por essas bandas? _pergunta séria Mirela.
_sim. Minha mãe me disse que ele é um empresário bem sucedido e que tem propriedades nessa região. _responde a jovem.
_bem, eu vou continuar tentando, ok? _diz ela, sem parar de teclar no computador.
_Ok! _diz Dani, alegremente. _Não vejo a hora de encontrá-lo!
_Posso te fazer uma pergunta?
_Sim, amiga! Até duas se quiser.

Amigas unidas

_Quando vocês se encontrarem, o que vai acontecer? Porque pelo que sua mãe disse, ele não sabe sobre você e é famoso.
_Eu não sei amiga. Eu realmente não sei o que vou fazer.

Já em Copacabana, Ronaldo arruma suas coisas e Rafaela o ajuda nas malas. Ela encara o namorado fixamente e diz:
_eu vou sentir muito a sua falta, viu?
_eu também, Rafa. Sentirei muito a sua falta.
_vê se não demora, ok? Eu fico preocupada em saber que você está sozinho por lá.
_por quê? Você não precisa ficar desse jeito.
_você sabe porque digo isso, não sabe?
_Rafa, eu só tenho olhos pra você. Você sabe perfeitamente disso mais do que eu.
_eu sei, meu amor. Mas é que eu.......
_você confia em mim? _ele pergunta, olhando seriamente em seus olhos.
_sim. Eu confio. _ela responde atenta.
_então, pronto. Depois que eu resolver essa questão familiar, eu volto pra te buscar, viu? Você me espera?
_claro. Eu vou te esperar, sim. Sempre.
_você me deixa muito feliz, sabia? Você não sabe a alegria que sinto por dentro em ouvir isso.
_eu imagino, Ronaldo. _diz ela, alegremente e o abraçando fortemente. _espero que tudo dê certo!
_vai dar, sim, minha vida, minha razão de viver.


Os dois se beijam felizes e cheio de sentimento, que resolvem dar continuidade naquela despedida. Rafaela decide entregar a sua alma e o seu corpo ao seu grande amor e com isso, ocorre uma forte paixão que os envolvem inteiramente. Aquela seria a última vez que os dois se amariam.

Aquele beijo

Helen chega do mercado e encontra Renata na sala assistindo televisão.
_Renata, você não foi á entrevista de emprego hoje?
_eu fui, sim Helen mas não fui aprovada.
_e porquê? _ela se indaga.
_a minha escolaridade e a disponibilidade de horário.
_Renata, se for por causa do seu filho, você está ciente que eu posso ficar com ele quando você for trabalhar. Eu não me importo.
_eu sei, Helen mas eu não quero me aproveitar da sua boa vontade. Eu vou arrumar outro serviço que não tome muito o meu tempo.
_qualquer serviço é assim mesmo. Não tem jeito! Você não vai conseguir cuidar do seu filho e trabalhar. Eu posso te ajudar!
_bom, já que você não se importa.
_fique tranqüila! Eu não me importo de cuidar do seu filho. _diz Helen sendo gentil.
Renata agradece sorrindo e decide mudar de assunto:
_Helen, já que estamos falando do meu filho, quero lhe perguntar se posso deixá-lo contigo nesta sexta á noite? É que vai rolar um pagode e eu não queria perder entende?
_Renata, já conversamos sobre isso. Você vai sair nesta sexta de novo?
_por favor! _implora Renata e Helen fica perplexa, mas no final acaba consentindo.

Marcelo encontra Priscila no ponto de ônibus e a convida pra entrar em seu carro.
_Priscila, entra aí! Te levo pra casa!
_não. Muito obrigada! Vou de ônibus mesmo. _ela diz, dando de ombros.
_deixa de ser boba! Eu te levo pra casa. Pode confiar?
_tudo bem. _diz Priscila, o encarando seriamente e concordando em entrar no carro.
Marcelo abre a porta e ela senta ao seu lado.


Wesley deixa Robson na esquina próximo ao clube e lhe deseja mais uma vez sorte. Logo após, ele sai em disparada.
Robson entra no clube e procura por Mariana (Que na verdade se chama Pâmela), que no exato momento se encontra no bar – o mesmo local de encontro em que ela conhecera seu irmão mais novo – e os dois finalmente se encontram pela primeira vez pessoalmente. Os dois jovens se cumprimentam um ao outro e decidem pedir algo pra beber, logo após um abraço apertado e selinhos no rosto. Wesley, em seu carro percebe que esquecera as chaves da porta de casa com Robson e decide voltar ao clube pra pegá-las. Ao chegar, ele entra á procura do irmão e é tomado por uma grande surpresa ao ver que seu próprio irmão estava com a garota que ele ficara. Ele fica confuso de início e chega á uma conclusão quando se lembra do primeiro dia que a conheceu.
_então, ela esperava por ele naquela noite! Pâmela é a garota da internet que meu irmão estava apaixonado. _ele fica totalmente sem chão ao verem os dois juntos conversando.

*Continua...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lançamento!

 
Copyright © 2013 Conectando Ideias - Traduzido Por: Templates Para Blogspot
Design by FBTemplates | BTT
close
#