Blogs Brasil

® Talentosos Escritores 2011/2015 - Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.
"O site Talentosos Escritores" estará passando por mudanças em breve. Portanto, a ausência de postagens de conteúdos importantíssimos como as novelas por exemplos. Mas isso é algo que estamos organizando, tempo ao tempo. Eu, como administrador, estou contando com uma equipe boa pra poder fazer o site cada vez melhor. A gente está se reunindo pra obter novidades em alta pra você, que nos acompanha há muito tempo. Peço desculpas pela demora dos conteúdos e a gentileza de aguardarem pacientemente. O Talentosos Escritores vai mudar, mas tenho certeza de que será pra melhor ok! Um grande abraço a todos." - Leandro Angellus

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Primeiro Capítulo de Estréia de Encontros Casuais


Kathleen, uma jovem de cabelos compridos morenos e numa estatura baixa, com apenas 18 anos de idade, olhos castanhos e magra surge na porta da casa de Fábio que o abraça contente por vê-la. A expressão dela era totalmente seriíssima.
_algum problema, meu amor? _pergunta ele intrigado ao olhá-la de frente.
_sim, Fábio. _ela responde, chateada.
_diz o que é que está havendo? _ele fica preocupado.
_eu estou grávida. _seu tom de voz muda.
_o quê? _ele fica pasmo.
Na sala, o diálogo termina em discussão e nenhum dos dois consegue se entender.
_kathleen, eu não quero que você tenha essa criança. _diz ele, cabelos negros, baixo, olhos verdes claros.
_o que você está me pedindo é um absurdo.
_então, cuide dela sozinha porque eu não pretendo te ajudar, não.
_você é um canalha! Se meu pai souber que eu estou grávida e que o filho é seu, ele me mata. Você sabe como meu pai age quando fica furioso. _diz ela, aos prantos.
_esse é um problema seu e não meu.
_eu contava contigo. Pensei que formaríamos uma família juntos quando essa criança nascer. Eu nunca pude imaginar que você fosse tão irresponsável cara.
_kathleen, eu te amo muito, mas eu não quero me responsabilizar por este bebê.
_você jamais me amou, Fábio. Se me amasse de verdade, assumiria o que fez. Eu não sei por que ainda estou falando com você. Se você não quer se responsabilizar por esta criança que está aqui no meu ventre, me esqueça. Se quiser, volte pra sua ex-namorada que eu não me importo mesmo.
_eu só quero que você entenda os meus motivos. Eu tenho vinte e dois anos e não estou pronto pra ser pai. Meus pais jamais suportarão essa idéia.
_e eu, Fábio? Como me sinto? Tenho dezoito anos e ainda vivo nas costas do meu pai assim como você. Eu sou culpada por ter cedido. Isso é fato!
_essa gravidez veio no momento errado. _ele fica irado. _Eu não quero nem pensar no que meus pais poderão dizer.
_você tem toda razão! Essa gravidez veio no momento errado e você é a pessoa errada por quem eu me apaixonei e me entreguei de verdade. _ela sai agoniada porta afora e o deixa confuso na sala.
A casa de kathleen ficava do lado da casa de Fábio. Era uma residência de pintura amarelada nas paredes, portas e janelas envernizadas, tinha um muro branco que cercava todo o jardim e havia flores coloridas em todo canto. Ela morava com o pai Ezequiel, um homem simples e rígido que cuidava sozinho do lar e de sua irmã mais nova, keyla, que era espevitada. Ezequiel fora largado da esposa há dois anos e faz de tudo para pôr a filha caçula na linha, tal que kathleen, como a mais velha, ele acreditava ser a ajuizada e, portanto, dedicava o seu carinho maior. Pra ele, ela era o seu maior orgulho e keyla ficava excluída em algumas atividades. Mesmo assim, ela não se importava com os mimos que ele dava á irmã mais velha.
Chegando em casa, kathleen deixa a irmã sair pra conversar com o pai. Ela decide contar-lhe tudo.
_filha, o que tem de tão importante pra me dizer? _inicia Ezequiel.
_eu nem sei por onde começar.
_comece pelo início, ora! _ele diz.
De repente, a campainha toca e kathleen se cala, interrompendo a conversa.
_eu vou atender a porta. _diz Ezequiel, disposto a abrí-la.
_tudo bem. _ela se angustia.
Ezequiel atende a porta e Fábio o encontra.
_a sua filha está?
_sim. Estou aqui. _ela responde de imediato.
_gostaria de falar contigo, kathleen. _ele pede com a voz trêmula.
_filha, eu vou deixar você conversando com o Fábio e vou dar uma saída. Prometo que já volto num instante. _interfere Ezequiel, pegando o seu chapéu e saindo. -Não demoro ok!
_por que veio, Fábio? _ela pergunta, ao deixá-lo sair.
_eu vim te pedir pra você tirar esse bebê.
_será que estou ouvindo bem? Você vem na minha casa com essa cara de pau me pedir isso de novo? Fábio se retire daqui por favor! _ela o expulsa.
_me escute! Será melhor pra nós dois. _ele fica mais sério ainda.
_nada é melhor do que nós dois sermos os pais pra esta criança porque um dia, ele vai precisar da gente.
_isso significa que você vai realmente criá-lo sozinha?
_sim. Eu não vou ter coragem pra tirar esse bebê que está crescendo aqui dentro. Eu vou trazê-lo ao mundo e ele será muito feliz. Jamais se lembrará que o pai abandonara quando soube de sua existência. _ela provoca.
_eu te desejo boa sorte, porque você vai precisar e muito.
_é uma pena que nossa conversa termine desse jeito. Por favor, não me procure mais, ok?
_fique trânqüila que eu jamais vou te procurar. Eu só espero que o seu pai não lhe faça sofrer.
_com meu pai, eu me entendo, Fábio. Mas antes que saia por aquela porta, saiba de uma coisa: meu filho jamais vai ouvir o seu nome.
_faça como quiser, kathleen, só não me peça nada em troca. Você vai estar me tirando um peso e tanto cuidando dele sozinha e me tirando da sua vida.
Fábio abre a porta e a encara sério. Depois, sai batendo-a com força.
Kathleen chora sozinha no sofá da sala.
Mais tarde, Ezequiel traz os pães da padaria e a encontra na cozinha, preparando algumas guloseimas.
_trouxe os pães. Estão quentinhos como você gosta. _ele deixa o embrulho na mesa e percebe o olhar triste da filha. _algum problema?
_eu estava pensando em minha mãe. Será que ela se lembra de nós?
_pensei que este assunto já foi explicado.
_já foi, pai.  Mas o fato é que eu não paro de pensar na idéia de ela ter nos deixado.
_filha, sua mãe tinha planos diferentes dos meus. Eu sinto falta dela, mas não posso esquecer o que ela fez conosco. Ela traiu a nossa confiança e acreditou que seria feliz sem a gente por perto. Não se preocupe, minha filha. Ela deve se lembrar da gente, sim.
_pai, desculpe ter de fazer lembrar dela. Sei que o senhor já sofreu com esse assunto.
_não se sinta culpada. Nós três somos uma família unida pro que der e vier. Estamos entendidos?
_claro, meu pai. _ela sorri feliz, servindo o café.
_Bom, você tinha algo pra me contar mais cedo. O que se trata?
_Nada não pai. _diz Kathleen, ocultando a verdade.

Gravidez de Kathleen

Meses se passam e a jovem não consegue contar o que vem lhe afligindo há tempos. Ela começa a ter enjôos e Ezequiel desconfia ainda mais. Até a irmã caçula acha que kathleen não está bem. Pai e filha decidem conversar severamente.
_o que anda acontecendo com você, hein?
_pai, não é nada grave. Não se preocupe.
_eu não quero que minta pra mim, kathleen.
_pai! _ela suplica as lágrimas.
_eu não acredito que você está com um problema simples de saúde, não. Você tem outra coisa e não quer me dizer. Kathleen, olhe pra mim! _diz o pai, já nervoso com a filha. _e diga o que você tem pelo amor de Deus?
_eu não tenho nada, pai. É sério!
Ezequiel encara a filha com fúria e pergunta:
_você não está grávida, está?
Kathleen não consegue disfarçar a mentira e tenta desviar o olhar.
_filha, responda! _diz ele, forte e alto, um pouco musculoso e com poucos cabelos na calvície.
_e se eu disser que estou?
_eu não acredito que você teve essa coragem. _fixa Ezequiel nos olhos da filha. _você é o meu orgulho. Você é a única filha que tinha todo o meu carinho, todo o meu respeito. Como pode fazer isso comigo?
_pai, não faça nada comigo. Eu não queria que isso tivesse acontecido. _ela se lamenta.
_agora é tarde pra se arrepender, kathleen. Quem é o pai dessa criança?
_eu não quero que o senhor entre nesse assunto, meu pai.
_eu já estou nesse assunto. Agora, diga: quem fez isso contigo?
_pai, promete que não irá fazer nada contra ele?
_kathleen, não me faça perder a paciência contigo. Eu sei que você vai precisar do meu apoio quando essa criança nascer. Como você vai se ajudar nessa situação? Ande, me diga! Por favor, diz logo quem é o responsável por isso?
_é o Fábio, meu pai. _ela confessa as lágrimas. _ele é o pai dessa criança que estou esperando há três meses.
Horas mais tarde, a mãe de Fábio, D. Lurdes, atende a porta e encontra Ezequiel bravo.
_que bom vê-lo aqui!
_olá, D. Lurdes! O seu filho está?
_não. Ele viajou pra Alagoas ontem. Por que? _pergunta a gentil senhora de cabelos longos morenos, estatura baixa e gordinha.
_seu filho é um irresponsável!
_como? O que há contigo, homem, pra agir desse jeito?
_sabe o que há comigo? Seu filho engravidou a minha filha kathleen e não quer se responsabilizar pelo que fez.
_ele fez isso? _ela fica desolada.
_sim. Ele fez. D. Lurdes, com todo respeito que tenho da senhora, seu filho vai ter que assumir o que fez ou eu serei obrigado a tomar uma atitude drástica, nem que eu tenha que caçá-lo até o fim. Não adianta ele fugir de mim, não!
Ezequiel sai bravo da casa de D. Lurdes, que fica preocupada.

_Oi mãe! _diz Fábio atendendo a chamada dentro do avião.
_Posso saber porque engravidou a Kathleen?
A expressão do rapaz muda de repente.
_Mãe, aconteceu! Eu não evitei sabe?
_Como você pode ser tão irresponsável! Ezequiel está bravo com você e ele tem toda a razão. Filho, o que deu na sua cabeça? Você devia ter evitado isso.
_Agora não vai me julgar né? Aconteceu e pronto! Oh mãe e eu não quero assumir essa criança. Eu pedi pra ela tirar mas ela não quis. Ela que assuma a responsabilidade sozinha. _e e desliga o telefone, deixando D. Lurdes perplexa.
A aeromoça lhe serve o café e biscoitos.
_Como você é linda hein? Sairia comigo um final de semana desses? Você não iria se arrepender não.
A jovem fica sem graça e decide ignorá-lo e ele sorri.

Daquele dia em diante, kathleen jamais soube de Fábio. D. Lurdes quando tinha uma hora vaga do serviço, a visitava e levava todo o seu apoio. Ela ajudava a jovem mãe que esperava o seu primeiro neto. Ezequiel lutava com garra dia por dia pra ajudar a filha, mas quando o nome de Fábio era pronunciado, seu ódio aumentava. Kathleen largou os estudos pra se dedicar cada vez mais a gravidez. Keyla não deixava a família na mão. Ela também fazia de tudo pra ajudar nos serviços domésticos. Enquanto isso, Fábio desfrutava seu descanso e passava a rotina brincando, indo a festas, mergulhando e aproveitando melhor a vida no estado de Alagoas, sem se preocupar com a situação que deixara pra trás. D. Lurdes sabia disso, mas ela era a mãe dele. Ela a defendia em todo momento. A família de kathleen tinha que lutar sozinha pra conseguir criar mais um membro.
Seis meses depois, kathleen se agonia ao ver um líquido se escorrer ao chão.
_pai! _ela grita, desesperada.
_o que foi filha? _ele atende ao seu chamado.
_minha bolsa estourou. _ela se preocupa.
Ao ser levada pelo hospital ás pressas, Ezequiel fica do lado da filha o tempo todo.
_Vai ficar tudo bem ta meu anjo! _diz ele, a apoiando.
_Eu estou com medo pai! _diz ela, nervosa.
_Não fica Kathleen. Eu estou do seu lado ok! _diz ele, apertando sua mão fortemente e ela sorri alegremente com aquele gesto dele.
As enfermeiras chegam e ajeitam a maca pra Kathleen repousar e Ezequiel precisa sair da sala cirúrgica.
_Vai ficar tudo bem Kathleen! Você é forte e vai conseguir gerar essa criança aí dentro viu? É só se manter calma e respirar fundo. _diz a enfermeira, tentando orientá-la e controlar o nervosismo da paciente.
Kathleen obedece à enfermeira e imagina seu filho em seus braços naquele momento.
_Você já tem um nome pra ele? _pergunta a enfermeira, preparando os materiais cirúrgicos.
_Sim. Vinícius. _ela diz, ofegante.
_Então vamos fazer o possível pra conhecermos o Vinícius né?
Kathleen mesmo sentindo fortes dores no parto, consente e a enfermeira se alegra ao ver a força de uma mãe jovem querendo realizar o sonho de ter o primeiro filho naquela noite.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lançamento!

 
Copyright © 2013 Conectando Ideias - Traduzido Por: Templates Para Blogspot
Design by FBTemplates | BTT
close
#